RECEBA NOSSOS BOLETINS

2/24/2020

Como o apoio de Bolsonaro às vaquejadas atende as milícias

A canalhice que governa este país revolta qualquer ser humano decente...... Como um protetor de animais pode apoiar este camarada criminoso?
---------------------------- 
O universo de Bolsonaro gira em torno das milícias. Suas manifestações expressam, de algum modo, interesses e preocupações das milícias.
A regulamentação das vaquejadas vai além de qualquer preocupação de cunho cultural. Representa apoio direto a quem Bolsonaro deve lealdade: as milícias.
Por Luis Nassif -11/02/2020

Durante a Festa do Peão e Boiadeiro, Jair Bolsonaro foi sincero:
– Respeito todas as instituições, mas lealdade eu devo a vocês. O Brasil está acima de tudo. Neste momento em que muitos criticam a festa de peões e a vaquejada, quero dizer com muito orgulho que estou com vocês. Não existe politicamente correto. Existe o que precisa ser feito — disse.

No dia 18 de setembro de 2019, Bolsonaro assinou a lei 13.873/2019 regulamentando vaquejadas e rodeios, que passam a ser tratadas como “atividades intrinsicamente esportivo-culturais pertencentes ao patrimônio cultural brasileiro de natureza imaterial”.

O universo de Bolsonaro gira em torno das milícias. Suas manifestações expressam, de algum modo, interesses e preocupações das milícias. A regulamentação das vaquejadas vai além de qualquer preocupação de cunho cultural. Representa apoio direto a quem Bolsonaro deve lealdade: as milícias.

Foi assim com a flexibilização do porte de armas, o desmonte dos sistemas de fiscalização ambiental, a defesa reiterada das milícias, nos seus tempos de deputado. É por ai que se entende a defesa enfática que fez das vaquejadas.

Hoje em dia, ao lado da venda de cigarros, gasolina e bebidas, as vaquejadas se tornaram o terreno preferencial para lavagem de dinheiro do crime conseguido em venda de proteção, de gato, de gás, encomenda de assassinatos e venda de proteção e outras formas de bico.As razões são variadas.

A primeira, é a dificuldade em estimar a rentabilidade do setor, tanto nos eventos como nos leilões de animais. A segunda é que os eventos juntam grandes audiências, ambiente propício à colocação de outros produtos milicianos.

Abaixo, algumas operações policiais recentes, em que as ligações das milícias com as vaquejadas ficam nítidas.
Operaçao Cactus
No dia 20 de abril de 2019, a Operação Cactus, de São Paulo, prendeu o pistoleiro Antônio Charles Barreto, o ‘Charlim’, de 34 anos, natural de Jaguaretama (CE).

Barreto tinha diversas acusações nas costas, por homicídio qualificado, tentativa de homicídio e execução de um subtenente da PM do Ceará. Sua quadrilha era conhecida como “Filhos do Senhorzinho Diógenes”. Preso em Itaitinga, aproximou-se das lideranças do Primeiro Comando da Capital (PCC). Sua quadrilha passou a trabalhar com pistolagem e tráfico de drogas na região de Guarulhos. A receita do grupo era lavada com vaquejadas no estado de São Paulo.

Operaçao Asfixia
Em março de 2015, operação integrada das polícias de Alagoas e Pernambuco prendeu três suspeitos de assaltos a bancos. Um deles era proprietário de parque de vaquejada avaliado em R$ 500 mil e cavalos de raça analisados em até R$ 150 mil cada.

Foram presos o comerciante Iran Cardoso de Azevedo, o Celso do Gás, dono do espaço, mais Valdemir Cândido de Couto, o Milita, e Dogivaldo Fernandes da Silva, o Doginho. Segundo a operaçao, os suspeitos usavam as vaquejadas para lavar dinheiro.

Operação Ingenium
Em novembro passado, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ), deflagrou a operação que denunciou dois bombeiros militares por receber vantagens indevidas na vistoria de uma vaquejada em Duque de Caxias, Baixada Fluminense.

Operação Turbulência
Em Recife, a Operação Turbulência, da Polícia Federal, deteve quatro pessoas, suspeito de, por seis anos, ter feito caixa 2 para financiar campanhas políticas as do ex-governador Eduardo Campos (PSB). O grupo teria movimentado R$ 600 milhões.

Artur Roberto Lapa Rosal, suspeito de ser testa de ferro do grupo, era ligado em vaquejada, sendo eleito o melhor vaqueiro do Brasil pelo Portal Vaquejada. Era conhecido como o “milionário das vaquejadas” e gostava de exibir cavalos de raça e até helicóptero. Era proprietário também de postos de gasolina, outro setor procurado pela contravenção.

Operação Pedra 90
Em setembro de 2014, a Operação Pedra 90 deteve uma das maiores quadrilhas de tráfico de crack no Nordeste. O dinheiro era lavado na compra de cavalos de raça para uso em circuitos de vaquejada em todo o país. Depois de lavado, o dinheiro servia para compra de carros importados, imóveis, haras e fazendas.

Um dos chefes da quadrilha, Cicero Bezerra da Silva, é proprietário de um haras em Palmeira dos Índios, Alagoas, e teria negociado cavalo no valor de R$ 200 mil.

Fonte: GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

EM DESTAQUE


Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪